José Aldyr Gonçalves

Escritos de ontem, de hoje e de amanhã...

Textos

A MELANCOLIA DOS FUNERAIS
A MELANCOLIA DOS FUNERAIS
                  
                                                                 - José Aldyr Gonçalves
Eu sempre achei estranhos os funerais
Que, há muito vi, com curiosidade e medo
Daqueles que se vão tarde ou cedo
E seguem todos p'ra não voltar mais

Eu não teria a bravura do Augusto
Dos Anjos que transforma víscera em versos
E assim da morte em aspectos diversos
Se decompõe, compondo-os sem susto

Vejo o caixão sombrio transportado
Como se fosse um trem final sem brilho
Que flutuando à uma estrada sem trilho
Leva a esperança de um ser finado

Semblantes tristes são acompanhados
De tenebrosa e vã melancolia
Pois sabem, enfim, concluem que ali um dia
Querendo ou não, serão todos levados

Chega o cortejo rodeado de mistério
Escorre a lágrima irmã de um rosto amigo
Eu, pensativo, curioso e estranho, sigo
A contemplar as dimensões do cemitério.

E no ápice melancólico desse ato
A ansiedade material da cova aberta
Como se fosse a única coisa certa,
Engole o corpo, consumando o fato.


Este poema foi fruto da inspiração da leitura, no ano de 2003,  de "Eu e outras poesias" do ilustre paraibano Augusto dos Anjos.

josealdyr@gmail.com
JOSÉ ALDYR GONÇALVES
Enviado por JOSÉ ALDYR GONÇALVES em 30/11/2009
Alterado em 18/08/2015
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Citar: Autoria de José Aldyr Gonçalves). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras