José Aldyr Gonçalves

Escritos de ontem, de hoje e de amanhã...

Textos

UM MENDIGO QUE EU VEJO
UM MENDIGO QUE EU VEJO

                          - José Aldyr Gonçalves


Eu vejo um mendigo a passos lentos
Indo e vindo nas travessas da Ribeira
Sem disfarces, sem medos, sem lamentos
Traz a história de uma vida inteira.

No semblante ele estampa o cansaço
De quem anda a vagar sem ter destino
Pendurado em seu fraquinho braço
Traz o seu patrimônio em desatino.

Chega ao lar que na vida lhe resta:
Um recanto solitário de calçada
Seus amigos então lhe fazem festa
Um gato, um rato e uma passarada.

O jantar é servido, ao fim da tarde
Os lugares ao redor bem disputados
Ele serve aos amigos sem alarde
Leite frio e pão são partilhados

Ao final, os amigos vão-se embora
E seus olhinhos ficam então tristonhos
A cabeça, em um velho saco ele escora
E ali mesmo dorme, tem seus sonhos...

josealdyr@gmail.com
JOSÉ ALDYR GONÇALVES
Enviado por JOSÉ ALDYR GONÇALVES em 25/11/2009
Alterado em 18/08/2015
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Citar: Autoria de José Aldyr Gonçalves). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras